Para Refletir
  27 de Outubro de 2009 pascom
Imprimir    E-mail

O Pote e a Missão    

POTE – Pote é uma vasilha de barro utilizada para se por água. Para receber a água ele deve estar vazio. O estar vazio faz parte de sua identidade. Quando ele está novo e ainda não foi curtido, a água que se põe nele tem gosto de barro. Na medida em que ele fica curtido, a água depositada nele conserva o gosto de água. Ele deixa a água ser água. O pote quando está cheio de água fica sempre umedecido. A umidade da água passa pelas paredes do pote. Lança-se para fora.

SIMBOLOGIA DO POTE – O serviço da Missão tem muito a ver com o Pote. Para bem iniciarmos e desenvolvermos um trabalho missionário devemos ser “potes” com sua verdadeira identidade. Isto quer dizer potes vazios. Pote vazio não deixa de ser pote, apenas está preparado para receber a água. Quando nos comparamos com potes vazios, não quer dizer que ignoramos nossas potencialidades. Significa que a primeira atitude da Missão é esvaziarmos de nós mesmos, de nossos projetos pessoais para nos enchermos de Deus. Quando no início do trabalho missionário somos “potes vazios”, o mistério de Deus penetra em nós, nos toca, nos curte. Vamos percebendo as dimensões deste mistério. A partir daí o trabalho missionário que realizamos é transpiração, testemunho da água viva do projeto de Deus e não tanto uma projeção nossa. Quando na missão somos “ potes cheios” de nós mesmos passamos a ser “atração”, “show”. Isto nos leva ao estress. E aí, onde fica Deus e o testemunho do anonimato?

A simbologia do pote nos lembra um ponto básico no trabalho missionário: o despojamento, a Kénosis.

KÉNOSIS DE JESUS. Jesus, o missionário do Pai, inaugura sua presença missionária entre nós pela via kenótica. “Esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de servo e tornando-se semelhante aos homens. Assim, apresentado-se como simples homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente, até a morte e morte de cruz” (Fl 2,7-8). Jesus se despoja num serviço total. Ele deixa claro que a Kénosis leva à Ressurreição. O Jesus que ressuscitou é o mesmo que morreu. Jesus vitorioso é o mesmo que experimentou o fracasso. Jesus ressuscitado testemunha que vida entregue gera vida. “Se o grão de trigo não cair na terra não produzirá frutos”.

A prática kenótica de Jesus fica bem clara no sermão das Bem-aventuranças. Elas são o caminho da missão. Seguir Jesus na sua prática das Bem-aventuranças requer uma mudança interior. É a conversão ao Evangelho que nos leva à verdadeira ação missionária. Esta conversão exige de nós a pequenez de um coração pobre, humano e humilde. Isto fica ainda mais claro quando observamos que bem no meio das Bem-aventuranças está a bem-aventurança da compaixão-misericórdia, como o grande carisma missionário de Jesus.

VIA KENÓTICA DE PAULO. O despojamento de Paulo vai acontecendo através do caminho de Damasco, no contato com a comunidade, no deserto e diante das crises experimentadas no seu jeito de fazer missão. Tudo isto leva Paulo a uma grande interiorização do Evangelho da Cruz. A sua via kenótica desenvolve-se dentro de um processo progressivo: 1. A Kénosis de ser para Jesus. Paulo vive, sofre e passa pelo processo do êxodo-pascal para ressuscitar como um homem totalmente tomado por Jesus (Cf Gl 2,19-20).

2. A Kénosis de missionar do jeito de Jesus. Em Atenas, Paulo entra em crise porque encheu seu pote de seus esquemas (At 17, 16-324). A crise de Atenas leva Paulo a um despojamento de si mesmo. A partir de então refaz seu projeto missionário (Rm l5, 1-23), onde domina muito o despojamento, a acolhida e a solidariedade. Passa a testemunhar o Evangelho da Cruz: Tem uma maior consciência da fraqueza do missionário (a) e dos meios usados por eles. Passa a entender que é na hora que sentia fraco é que era forte (2 Cor l2, 1-10).

3. A Kénosis de viver e permanecer com Jesus até o fim ( Rm 8, 35-39). A partir daí ele nos aconselha a ter os mesmos sentimos que havia em Jesus Cristo” (Fl 2, 5).

TRINDADE: MAIOR GESTO MISSIONÁRIO. Através da Kénosis de Jesus e de seu discípulo Paulo vamos entendendo que a missão não é propriedade nossa. É a expressão do dinamismo missionário da Trindade ( Cf AG 2). Ela é o ato missionário completo: Cria – Redime – Santifica.

A missão tendo origem na Trindade se torna para nós uma questão de fé. Ela se torna a medida de nossa fé (Cf RM 11). Ela renova a Igreja, revigorando sua fé e sua identidade. (Cf RM 28). A missão tem no Espírito de Deus seu primeiro agente, seu guia e seu impulsionador ( Cf RM 21. 24. 37). Sem a ação do Espírito Santo não há Evangelização. Ele é a alma da Igreja. As técnicas da Evangelização são boas, mas não substituem a ação discreta do Espírito Santo. (EN 75).

ESPIRITUALIDADE DO MISSIONÁRIO. Na medida em que o missionário vai se deixando tocar pela simbologia do pote ele vai esvaziando-se de si mesmo e deixando Deus ser Deus dentro dele. Adquire o verdadeiro temor de Deus, reconhecendo que Deus é o Absoluto e nós somos criaturas. Ele nos abre ao imprevisível de Deus e relativiza nossa auto-suficiência.

A espiritualidade requer que o missionário(a) seja uma pessoa de silêncio. O silêncio é mais do que não-falar. É uma atitude de escuta da Palavra de Deus. Deste modo o silêncio se torna a morada desta Palavra . Dá fecundidade à esta Palavra. O silêncio faz arder nosso coração com o fogo interior do Espírito. O silêncio é uma atitude interior em que nos abrimos para a realidade de Deus que nos envolve.

Juntamente com o silêncio a espiritualidade missionária se alimenta na contemplação. A contemplação é a descida humilde da mente para o coração. Refletimos e rezamos a sabedoria da Palavra de Deus que se apresenta na Bíblia e na realidade da vida. Quando esta Palavra de vida desce para o coração ela se torna inspiração contemplativa e missionária. A contemplação é uma atitude de abandono aos apelos do Amor de Deus. Por isso mesmo ela nos desinstala e nos leva por caminhos desconhecidos, facilitando um novo olhar para a realidade. Deste modo é a contemplação que nos impulsiona para a missão “ad gentes” e não a curiosidade do diferente ou de ser diferente.

Através da contemplação começamos a enxergar e ver o cotidiano com um coração novo e espírito novo (Cf Ez 36, 26-27). A contemplação reforça em nós o sentido de pertença e permanência na vocação missionária. Aumenta o zelo e o espírito de unidade do missionário (a). Reanima o fervor do missionário (a), dando-lhe força para semear mesmo entre lágrimas. A contemplação nos leva, a exemplo de Carlos de Foucauld, a “Gritar o Evangelho com a Vida”. A falta de fervor se manifesta no cansaço, na desilusão, no desinteresse e sobretudo na falta de alegria e esperança (Cf EN 76.79.80). A contemplação ajuda o missionário (a) a ser constante na execução do trabalho missionário, aberto ao diálogo e ser pessoa comunitária.

Neste instante em que a vida religiosa é chamada a reavivar seu profetismo missionário, a simbologia do pote nos lembra que a missão é antes de tudo um estado de ser possuído por Deus que nos leva a fazer ações missionárias. A Kénosis é uma atitude básica para o discipulado missionário. Sem ela não seremos os (as) missionários (as) do silêncio contemplativo. Nosso zelo, nosso fervor, nossa unidade terão fôlego curto.



Ver Comentários (2)
 
Top
Paróquia de Nossa Senhora da Guia
Rua Peregrino Filho, 51 | Centro - Patos - PB